30 de abril de 2017

«se não queres amar mal, ama quem te seja igual»


"Até porque não faria qualquer sentido dizer: «se não queres amar mal, ama quem te seja igual». 

Amar é querer alguém que nos é intensamente desigual. 

Pode haver afinidades e cumplicidades, e até pode tudo acabar numa idílica «união de iguais»: mas à partida o impulso amoroso é um impulso de desigualdade, porque é um sintoma da incompletude."

Pedro Mexia

Nenhum comentário:

Você poderá gostar de...