Quando você vai chegar para me mostrar que eu errava ao acreditar que todas as pessoas são iguais? Quando você vai chegar para me mostrar que, por mais recorrente que seja, é perigoso generalizar? Quando você vai chegar para me mostrar que eu também consigo viver as partes boas além das ruins?
As minhas experiências antigas não me empolgam pelas novas. Conheço pessoas e, sem querer, investigo defeitos que fazem eu me afastar – e eu odeio isso em mim. O medo de sofrer está tirando pessoas muito legais da minha vida. Eu estou tirando pessoas muito legais da minha vida! Por isso gostaria de saber quando você vai chegar. É pra eu saber que eu posso continuar sendo quem eu sou; que eu não erro ao demonstrar carinho e que tudo bem eu me preocupar e querer saber mais sobre o seu dia. Gostaria de saber quando você vai chegar para me dizer que tudo bem eu ser assim, porque até agora eu só tive exemplos que não me ajudaram nisso.
Quando você vai chegar?
Quando vai chegar para também demonstrar carinho ao invés de só receber? Quando vai chegar pra gente fazer planos? Pra eu sugerir cinema em plena terça-feira. Pra eu aprender a cozinhar alguma coisa que você gosta. Quando você vai chegar?
Quando você vai chegar pra gente se abraçar demorado de tanta saudade? E pra gente comemorar a velocidade com que a pizza chegou?
Quando você vai chegar para me incentivar a ser melhor e não me julgar pelos meus defeitos? Quando? Quando você vai chegar pra gente rir de doer a barriga com o alface no dente ou pra gente brincar com os cachorros nas ruas?
Quando você vai chegar pra ouvir o que tenho para dizer ainda que eu já tenha dito mil vezes antes? E pra me deixar participar da sua vida? Ouvir como penso e te fazer companhia na solidão dos dias machucados?
Você existe?

Márcio Rodrigues.